Categorized | Resenhas

Duas Forças Adversárias

Posted on 20 agosto 2010 by admin

Nesse capítulo Valnice descreve como duas forças Satânicas têm operado na igreja para derrotá-la. Embora sejam forças com manifestações diferentes, elas provêm de uma mesma origem. Trata-se da “idolatria” e da “feitiçaria”. Ambas unem-se com o propósito de minar a igreja por dentro e por fora.

A autora, então, passa a descrever sobre as características dessas forças adversárias. A idolatria, como todo o seu panteão de santos e padroeiros “é representada por Roma, e é a manifestação do que a Bíblia chama de Babilônia”. A feitiçaria, como todos os seus orixás e guias “é a manifestação do espírito de Jezabel, a sedutora”. Para Valnice, essas manifestações estão na origem das maldições que a nação tem enfrentado.

Listo de forma breve alguns aspectos dessas duas forças citados pela autora:

  • – A idolatria, personificada na Aparecida, vem atrelada ao espírito de religiosidade; a feitiçaria, personificada em Iemanjá, está atrelada ao espírito da imoralidade.
  • – A religiosidade prende as almas pela adoração aos falsos deuses; a imoralidade as escraviza pelo culto ao sexo.
  • – A idolatria está estabelecida nos templos, a feitiçaria nas casas, unindo-se para atacar a estrutura da igreja na sua base: as celebrações do templo e os pequenos grupos nas casas.
  • – A idolatria tem um culto litúrgico, formal, organizado; a feitiçaria tem um culto com a manifestação do sobrenatural.
  • – Os ministros da idolatria são formados no intelecto; os da feitiçaria, em ritos que os colocam em contato com o mundo dos espíritos.

Pela descrição que faz Valnice, entendi que o apelo da idolatria está voltado para o visual, o intelectual, a pompa; enquanto que o apelo da feitiçaria se volta para o oculto, o espiritual, o sobrenatural.

A autora demonstra como a influência da feitiçaria está presente em diversos campos da vida humana, como por exemplo, na mídia. “Nossa cultura está permeada pelas influências da feitiçaria”, afirma Milhomens. Tanto as formas sutis como manifestações abertas estão tão permeados na nossa sociedade que se constitui num grande desafio para a igreja que recebe as pessoas acostumadas com esse tipo de procura.

Valnice, então, Demonstra a influência direta dessas influências na igreja:

“a idolatria atacou a asa do grupo grande, da celebração, degenerando-a. A feitiçaria atacou a asa do grupo pequeno, a célula, eliminando-a”.

As influências da idolatria na Igreja, portanto, são:

  • – Culto litúrgico;
  • – Aparência de piedade, mas sem poder;
  • – Rituais em vez de experiência;
  • – Congregação expectadora, em vez de adoradora;
  • – Um show que enche os olhos, mas deixa vazio o coração;
  • – Ausência de liberdade;
  • – Deprimente, sem vida, com peso de morte.

Os efeitos da feitiçaria na estrutura de grupos pequenos foram avassaladores, banindo a igreja das casas e confinando-a aos suntuosos templos; Com isso, perde-se o poder de impacto que o Evangelho tem nas famílias e inibe-se o testemunho na vizinhança. O dinamismo das reuniões e o poder do Espírito Santo deixam de estar presentes nos lares através da operação dos dons para apagarem-se na liturgia morta de celebrações previsíveis em ambientes intimidadores.

Afirma Valnice: “se a batalha contra a idolatria, que é visível, já tem sido considerável, o que dizer do oculto?”. E ainda escreve:  “É fácil identificar um idólatra e religioso, mas não é tão simples identificar o imoral e feiticeiro”.

Valnice sustenta que só conseguiremos vencer esse “sofisticado nível de batalha” manifestando a sobrenaturalidade do Evangelho. O sobrenatural faz parte da Grande Comissão.

Transcrevo, a título de encerramento desse capítulo uma grave acusação que a autora faz ao sistema religioso que se impregnou no cristianismo:

“São nossas cadeias religiosas, a estrutura de raciocínio desenvolvida em nós por uma teologia influenciada por Roma, que nos legou uma incrível teimosia em conformar-nos com uma qualidade de experiência religiosa que desconhece o sobrenatural na dimensão que Deus projetou para a Sua Igreja”.

MAIS RESENHAS…

Leave a Reply

Advertise Here
Advertise Here